Gazeta Regional Camaquã

Construção da réplica do veleiro Seival entrou na fase de produção do convés


22/12/2020 - Fonte: Porfessor Antônio Carlos Rodrigues

 O coordenador da proposta,  professor Antônio Carlos Rodrigues, participou do programa Ligação Direta desta terça-feira, falando sobre o projeto de recriar a histórica embarcação gaúcha.

 Na manhã desta terça-feira (22), o professor Antônio Carlos Rodrigues, coordenador do projeto Seival e os Caminhos de Garibaldi, participou do programa " Ligação Direta", nos AM 1060 da Rádio Camaquense. 

 Em conversa com os apresentadores Claudenir Sodré e Mário Garcia, ele falou sobre a construção da réplida da histórica embarcação gaúcha.

 Nesta semana, a obra entrou na fase de produção e estruturação do convés , seguidoda fixação do assoalho do espaço e borda falsa.

 O novo passo define o início da finalização de outra etapa do projeto, que no dia 09 de dezembro completou um ano do início dos trabalhos.

  Conforme o professor Antônio Carlos Rodrigues, coordenador da proposta, a iniciativa está “a 70% da estrutura do barco, considerando que a obra já tem quase toda a mastreação concluída, pronta para ser montada”.
 
“ Aproveitamos para fazer um apelo a todos que ficarem sabendo do nosso esforço para colocar a embarcação mais emblemática do processo náutico farroupilha, que é o Seival, nas águas do Guaíba e Lagoa dos Patos. Queremos dividir com os apaixonados da vela a paixão de poder velejar por onde nossos sonhos nos levam”, disse o professor.
 
 Os trabalhos da equipe do projeto seguiram normalmente até o dia 14 de março deste ano. A partir do início da pandemia, o professor Antônio relata que mudanças precisaram ser realizadas na atuação da iniciativa, sem contar que houveram problemas de arrecadação financeira. Mas isso não desmotivou o andamento da construção, que não parou desde então, e seguiu com ritmo reduzido, de acordo com as condições do momento. “Em função da pandemia, tivemos que revisar todas as previsões. Queríamos estar navegando pelo Guaíba e Lagoa dos Patos, mas estamos contentes em ter chegado até aqui”, conta.
 
 De acordo com Antônio Carlos Rodrigues, em janeiro de 2021 será iniciada a organização de um seminário de estudos históricos junto com representantes das cidades da costa doce gaúcha – extremo sul do Brasil, para definir um calendário de visitação a estas cidades, bem como possíveis atividades em conjunto com comunidades locais e escolas, interagindo com propostas e projetos de preservação ambientais.
 
 Já na nova etapa da construção da réplica do Seival, a estimativa é de que o projeto deverá ter gastos ainda sem arrecadação financeira, como motor, caixa, leme, velas, pintura, equipamentos de navegação. “Precisamos apoio, inclusive de materiais que pudermos reciclar, como velas antigas, motor usado, caixa e acessórios de navegação. Não foi diferente em 1938, na charqueada da Dona Antônia, irmã de Bento Gonçalves. As madeiras eram das matas do Rio Camaquã, os cabos eram de couro trançado, o ferro era forjado ali mesmo na estância, as velas eras de sacas de cereais. Não será perfeito, nem ideal. Ele será feito das nossas possibilidades, de nossas competências, mas principalmente de quantos corações, mentes e recursos pudermos juntar nesta ideia”, destaca o professor.
 
 A Associação Socioambiental Amigos do Seival está recebendo recursos para a continuação da construção do veleiro Seival. Para colaborar, as doações podem ser realizadas na conta da associação com as informações abaixo:
 
Banco Sicredi
Agencia – 0663
Conta – 370734
CNPJ – 351472420001-97
 
Mias informações podem ser obtidas pelos telefones (51) 99983.0760 / (54) 99983.0713 – WhatsApp ou pelo e-mail profantoniocarlos16@gmail.com.
 
Com informações e imagens - Clube dos Jangadeiros