Gazeta Regional Estado

Julgamento do Caso Bernardo começa nesta segunda-feira


10/03/2019 - Fonte:

Os quatro acusados pela morte do menino Bernardo Uglione Boldrini, crime que chocou o Rio Grande do Sul e o Brasil há cerca de cinco anos, começam a ser julgados nesta segunda-feira, em Três Passos, no Noroeste do Estado. O pai da vítima, Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini, e a amiga dela Edelvânia Wirganovicz, além de Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, vão a Júri Popular, presidido pela juíza Sucilene Engler Werle. A previsão é de que o julgamento dure toda a semana, já que há um total de 18 testemunhas para serem ouvidas. Desaparecido em 4 de abril de 2014 em Três Passos, Bernardo Boldrini, de 11 anos, foi encontrado morto dez dias depois no interior de Frederico Westphalen, a cerca de 80 quilômetros de distância. O corpo estava dentro de um saco plástico, enterrado em um matagal às margens de um riacho.

A causa da morte do menino teria sido a superdosagem do Midazolam, medicamento presente no estômago, no rim e no fígado da vítima, de acordo com laudos periciais. Os quatro réus respondem por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. De acordo com o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), o processo que apura o crime tem aproximadamente 9 mil páginas, distribuídas em 44 volumes. Na fase de instrução processual, foram ouvidas 25 testemunhas arroladas pela acusação, 29 indicadas pelas defesas e os quatro réus. No julgamento, das 18 testemunhas que serão ouvidas, cinco são de acusação, nove arroladas pela defesa de Boldrini e quatro pela de Graciele Ugulini.

Obedecendo as definições do Código Penal, o Júri Popular deve funcionar com o sorteio dos sete jurados para definir o Conselho de Sentença. Em seguida, serão ouvidas as testemunhas e, após isso, os quatro réus irão depor. Haverá, ainda, a apresentação das teses de acusação e de defesa, com possibilidade de réplica e tréplica, e, na sequência, os jurados serão reunidos para o veredito. Por fim, a juíza dosa a pena e declara a sentença, que pode ser condenatória ou absolutória. A sentença poderá ser recorrida. O julgamento dos acusados pela morte de Bernardo Boldrini terá ampla cobertura da imprensa. Em incomunicabilidade, as testemunhas só poderão ser fotografadas e gravadas de costas. Não há, no entanto, restrições quanto aos réus.

Bernardo Uglione Boldrini foi visto pela última vez no dia 4 de abril de 2014, uma sexta-feira, em Três Passos. Nas investigações, Edelvânia, amiga da madrasta, admitiu o crime e apontou o local onde a criança havia sido enterrada. A denúncia, apresentada à Justiça em maio do mesmo ano, dá conta que a morte do menino começou por volta do meio-dia e terminou perto das 15h do dia do desaparecimento, em Frederico Westphalen. Ele teria sido levado por Graciele sob o pretexto de realizar atividades de seu agrado e, no início da viagem, recebido, via oral, as primeiras doses de Midazolan. Já no município vizinho, os dois encontrariam Edelvânia Wirganovicz e seguiriam para um local previamente escolhido, na Linha São Francisco, Distrito de Castelinho, onde havia uma cova vertical aberta dias antes. A droga utilizada no crime teria sido adquirida com o receituário de Leandro Boldrini, com carimbo e timbre do médico.

Publicidade:
Publicidade: