Gazeta Regional Economia

Após fracasso nas urnas, políticos se aposentam e ganham até R$ 32 mil


25/02/2019 - Fonte:

Enquanto milhões de brasileiros aguardam ansiosos o desfecho da reforma previdenciária para decidir o futuro, alguns senadores derrotados nas eleições de 2018 já estão aposentados com salários muito acima da média nacional paga pelo INSS (R$ 1.520,80). É o caso de Romero Jucá (MDB-RO), de 64 anos. Após 24 anos no Senado, ele não conseguiu ser reeleito no ano passado. Em fevereiro, entrou com pedido para receber aposentadoria como ex-parlamentar.

O benefício mensal será de R$ 23.151,77, o equivalente a 68,5% da remuneração mensal de deputados e senadores, que é de R$ 30.763. Jucá é apontado pela Procuradoria-Geral da República como participante de um esquema de corrupção envolvendo caciques do partido dele que ficou conhecido como "quadrilhão do MDB".

Edison Lobão (MDB-MA) foi outro que não conseguiu renovar o mandato. Ele foi eleito pela primeira vez em 1987 e ficou até 1991. Em 1995, tornou-se novamente senador e foi reeleito nos quatro pleitos seguintes. Entretanto, na maior parte do período entre 2008 e 2015 não esteve no Senado, pois ocupou o Ministério de Minas e Energia nos governos Lula e Dilma.

Aposentado pelo antigo IPC (Instituto de Previdência dos Congressistas), que exigia 50 anos de idade mínima para requerer o benefício, Lobão recebeu R$ 25.274,01 neste mês. O ex-senador e ex-ministro é investigado na Lava Jato por supostos recebimentos de propina nas obras da usina hidrelétrica de Belo Monte. Ele também é citado como integrante do "quadrilhão do MDB"

A maior aposentadoria entre esses ex-senadores será a de José Agripino Maia (DEM-RN), que não conseguiu se eleger deputado federal e conquistou apenas uma vaga de suplente na chapa. O político potiguar teve mandato no Senado de 1987 a 1991 e de 1995 a 2019 (32 anos) e recebeu neste mês mais do que o salário de um parlamentar: R$ 32.894,80.

Agripino Maia virou réu, no fim de 2017, em um processo de corrupção envolvendo as obras da Arena das Dunas, em Natal (RN). Outro cacique regional que não renovou o mandato, após 24 anos no Senado, foi Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). O político recebeu R$ 24.212,89 de aposentadoria em fevereiro.

Armando Monteiro (PTB-PE), de 67 anos, teve apenas um mandato (oito anos) no Senado e três consecutivos de deputado federal (1999 a 2011). Ele requereu aposentadoria após perder a eleição para o governo de Pernambuco e passa a receber R$ 19.293,14 mensais.

Já o ex-senador José Pimentel (PT-CE), de 65 anos, aposentou-se com vencimentos de R$ 23.151,77. Ele, que foi deputado federal de 1995 a 2011 e senador de 2011 a 2019, não chegou a disputar eleições, uma vez que o partido decidiu não lançar candidato ao Senado, e ele ficou sem cargo.

Publicidade: