Gazeta Regional Eleições 2018

No exterior, 500 mil brasileiros votam no 2º turno


28/10/2018 - Fonte: GGN
Em 16 países a eleição para presidente no Brasil já está concluída, segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Se tratam de nações na Oceania e Ásia, à frente do fuso horário do Brasil: Nova Zelândia, Austrália, Japão, Coreia do Sul, China, Taiwan, Cingapura, Filipinas, Malásia, Hong Kong, Timor Leste, Indonésia, Vietnã, Tailândia, Índia e Nepal.
 
Apesar desta informação, o resultado de votação no exterior só será divulgado após o término de votação no Brasil, às 19h de Brasília, quando se encerra a votação no Acre. 
 
O TSE diz que existem 500.727 eleitores fora do país aptos para votar em 171 localidades de 99 nações, somente para presidente da República. Os últimos eleitores brasileiros fora do país começarão a votar a partir das 12h de Brasília. São eles: de San Francisco, Los Angeles (EUA) e  Vancouver (Canadá). A maior parte das votações está sendo realizada nas embaixadas do Brasil. 
  
Portugal, Japão e Estados Unidos concentram 51,9% dos eleitores brasileiros. Segundo informações trazidas pelo portal G1, em 2014, 354,2 mil eleitores estavam aptos para votar no exterior, portanto houve aumento de 41,4% do eleitorado fora do país, em comparação àquele ano eleitoral. 
 
Argentina 
 
Na Argentina,  6.210 brasileiros estão aptos para votar hoje, a maioria na capital Buenos Aires. Entretanto, segundo informações da Agência Brasil, no primeiro turno foram às urnas cerca de metade: 3.199.
 
A eleição no Brasil está sendo motivo de atenção pelo país vizinho. Cerca de dez dias após o primeiro turno, dia 16, Bolsonaro ligou para o presidente argentino, Mauricio Macri, segundo informações da própria Casa Rosada.
 
"O presidente [Macri] imediatamente concordou com o contato solicitado pelo candidato brasileiro e disse que iriam conversar novamente e começar a trabalhar após o dia 28 de outubro, caso Bolsonaro seja eleito", destacou o governo argentino em nota oficial. 
 
O ministro das Relações Exteriores do país, Jorge Faurie, também chegou a declarar que o resultado do primeiro turno foi tema na reunião de gabinete do presidente Mauricio Macri.
 
“A Argentina quer que o vitorioso de hoje seja o que permita consolidar sua democracia, a institucionalidade e a economia”, disse. 
 
Imagem: Monica Yanakiew/Arquivo Agência Brasil
 
Publicidade: