Gazeta Regional Polícia

Pecuaristas gaúchos sofrem golpe milionário


28/06/2021 - Fonte: Canal Rural

A Polícia registrou 72 ocorrências onde pecuaristas do RS deixaram de receber pela comercialização de animais.

 

  A Polícia Civil do Rio Grande do Sul está trabalhando para esclarecer uma espécie de golpe aplicado na compra de gado e que já representa um prejuízo milionário para pecuaristas do Estado. 

 Já são 72 ocorrências policiais registradas na  DECRAB ( Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e  de Abigeato. Somente em Formigueiro, município localizado na região central do Estado, as vítimas foram lesadas em mais de R$ 10 milhões.

  Dois suspeitos de integrar o esquema criminoso estão detidos. Um deles, de 26 anos, fez negócios legalmente com pecuaristas por meses, até anos em alguns casos, para assim, aplicar o golpe, retirando um grande volume de animais das propriedades e deixando de realizar o pagamento pela compra.

 Vagner Grigoletto, criador de gado em Formigueiro, ficou sem receber o valor correspondente à venda de 542 novilhas da raça braford. Ele conta que mantinha uma relação de amizade com o jovem que está preso atualmente. Ele diz que o mesmo já vinha adquirindo gado por um ano e meio.

 " Nãotinha queixa dele. Sempre me pagou certinho, mas nesses últimos 30 dias deixou para juntar todo o meu gado, 542 novilhas braford. Acreditei nele e dei os 30 dias para poder efetuar o pagamento. Não pagou e nem os outros pecuaristas da região", disse Vagner.

 O pecuarista ainda relata um sentimento de muita indignação com o golpe sofrido: 

 " Não leva simplismente o gado. Leva toda a vida de sacrifício, de trabalho. Uma vida em que a gente se priva de ficar com a família para estar cuidando do que é nosso. Queremos que a justiça seja feita, que ele pague ou ao menos que nosso gado retorne para nossas propriedades", diz.

 Outro pecuarista do mesmo município, que optou por manter sua identificação em segredo, relata um prejuízo de mais de R$1 milhão. O modo de operação foi o mesmo aplicado em Grigoletto: os negócios vinham sendo feitos com o mesmo rapaz por cerca de dois anos. Inicialmente, os pagamentos eram feitos à vista: após, com um prazo para a transferência do dinheiro, que até então sempre foi honrada. Os cheques começaram a voltar,e a venda de cerca de 260 animais  ficou sem pagamento. " Para nós isso tira o chão. É toda  uma vida que você trabalha. Isso não se fazpara ninguém", lamentao pecuarista.

 Já Gorete Argenta Garcia relata que seu marido, Eloi Garcia, que faleceu recentemente, ajudou o acusado a iniciar as negociações com pecuaristas assim que chegou à região de Formigueiro.

 " Emprestou mangueira, balança e também arreio", disse. O casal registrou ocorrência na delegacia local por conta de cheques sem fundo relativos à compra de animais, num valor de R$130 mil. " A família pede justiça. Meu marido acabou não aguentando e falecendo no dia 21 de junho".

 O delegado da polícia especializada em crimes rurais de Bagé, André de Matos Mendes, acredita que o golpe é o maior já registrado contra o agronegócio no Rio Grande do Sul, lesando um grande número de produtores rurais. Além da prisão dos suspeitos, ele conta que foram cumpridas medidas judicias, como o bloqueio de bens de alguns envolvidos.

 " As investigações ainda tendem a avançar. Esperamos conseguir encontrar patrimônio e garantir que as vítimas tenham ressarcimento, senão total, pelo menos em parte no futuro, depois da ação penal", disse Mendes.

 A Farsul recomenda cautela aos pecuaristas, antes de concretizar a venda dos animais. Fábio Rodrigues, diretor da entidade, afirma que é preciso ter cuidado principalmente quando os valores negociados estão fora dos parâmetros do mercado. "Devemos procurar as referências dos operadores que estão buscando esse tipo de negócio e tentar sempre nos precaver de qualquer imprevisto que possa vir a acontecer", diz.

Publicidade: